Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Letras (FL) >
FL - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/5351

Title: A influência da expansão portuguesa na Inglaterra do primeiro Tudor
Authors: Silva, Paulo Manuel Azevedo da
Advisor: Cruz, Maria Leonor García da
Keywords: Descobrimentos portugueses
Portugal - História - séc.15
Inglaterra - História - séc.15
Teses de mestrado - 2010
Issue Date: 2009
Abstract: Dono de uma legitimidade dúbia, chegado ao poder pela força das armas, Henrique VII herda um reino acabado de sair de um difícil século de quatrocentos. A sua acção governativa, reformadora e centralizadora, encontra dificuldades de afirmação na Europa diplomática e política, onde forças ancestrais se digladiam. A sua atenção vira-se então para formas inovadoras de afirmação; entre estas, avulta a entrada no jogo do descobrimento e conquista além-mar, de que conhecia os feitos – estava bem informado – e invejava os efeitos. A sua cidade de Bristol participava havia muito das inovações técnicas, culturais e comerciais de um Atlântico pleno de potencialidades. Antecedendo a aceitação, pelos Reis Católicos, da proposta de Colombo, foi ao Monarca Inglês apresentado o mesmo plano pelo irmão Bartolomeu, enviado a Inglaterra; a proposta, escorada numa argumentação que realça o papel de Portugal no conhecimento de um novo mundo, foi aceite pelo Tudor. Foi apenas gorado o ensejo pela concretização do apoio espanhol ao futuro Almirante. Mas surge Cabot – com um plano e uma aprendizagem similares a Colombo. Com ele, o Rei, apoiado nos saberes portugueses e nas aspirações de Bristol, inicia a Inglaterra nas demandas de outras paragens. Se o sucesso de 1497 não teve seguimento imediato, a reformas navais de Henrique VII e o feito do veneziano ajudaram a lançar as bases da futura Inglaterra: comercial, marítima, expansionista.
ABSTRACT: Dubiously legitimate, by battle arrived to the throne, Henry VII inherits a realm just emerging from a difficult fifteenth century. His political action, reforming and centralising, meets in Europe the challenging diplomatic and political scene were powerful and ancient forces struggle. The King`s attention turns to ground-breaking forms of power; amongst these, entering the game of discovery and conquest overseas, of which he knew the facts –he was well informed – and envied the effects. His city of Bristol had long been participating of the technical, cultural and commercial innovations of the promising Atlantic. Before the acceptance, by the Catholic Kings, of Columbus´ plan, the scheme was presented to the Tudor by Bartholomew, the Genoese’s brother, sent as a negotiator; the proposal, grounded on reasoning that clearly enhances Portuguese partake in the knowledge of a new world, was well received. And it went no further only because Spanish support to Christopher Columbus finally came. But enter Cabot, with much similar a plan and apprenticeship. This time, Henry VII, backed in Portuguese skill and Bristol´s ambitions, starts England on the discoveries. The events of 1497 had no immediate sequel, but naval reform and the Venetian’s feat sowed the seed of future England: commercial, maritime, expansionist.
Description: Tese de mestrado, História dos Descobrimentos e da Expansão, Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, 2010
URI: http://hdl.handle.net/10451/5351
Appears in Collections:FL - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulfl_106398_tm.pdf651.98 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE