Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Letras (FL) >
FL - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/545

Title: Kafka e Beckett : uma estética do fracasso
Authors: Laranjinha, Natália, 1968-
Advisor: Gusmão, Manuel, 1945-
Keywords: Kafka, Franz, 1883-1924
Beckett, Samuel, 1906-1989
Literatura checa de língua alemâ - séc.20
Literatura irlandesa - séc.20
Análise literária
Teses de doutoramento - 2008
Issue Date: 2007
Abstract: Beckett pode ser considerado um sucessor de Kafka na criação de uma estética do fracasso. Os dois autores executam uma époché do mundo que levará ao domínio da razão. A presença do corpo e dos outros é ressentida pelas personagens como um peso do qual se devem libertar. Kafka elege o corpo-animal e Beckett o corpo-objecto para atenuar a sua influência sobre a consciência e revelar a desumanidade que o mesmo transporta. Constataremos que o processo de époché não se limita ao corpo das personagens, mas alarga-se também ao dos outros e a tudo o que pode servir à criação de uma relação inter-humana. Porém, a libertação do corpo, dos outros e do mundo captura as personagens num espaço único, claustrofóbico e sem saídas: o da consciência, onde, confrontados com os seus limites, vivem a experiência do fracasso. A morte, nas várias formas que toma, subjuga soberanamente à vida, e representa um dos rostos do fracasso, sempre constante na narrativa dos escritores. As personagens, além de viverem uma morte na vida , são compelidos a procurar algo vago, indefinível e sobretudo inalcançável. A escrita destes autores pode ser lida através de uma figura comum, a da aporia. Ambos partilham de uma escrita aporética que oscila entre a afirmação e a negação de um mesmo termo. Desta forma, ambos impedem o sentido de se fixar e garantem a permanência do fracasso. Kafka e Beckett edificam uma escrita em ruína regida pelo movimento de construção/des-construção, criando assim ruínas artificiais. As ruínas convocam de imediato o (s) silêncio (s), tão presente (s) nos seus textos. Um olhar melancólico caracteriza a visão peculiar de Kafka e Beckett sobre o mundo e a condição humana.
Beckett can be regarded as one of Kafka's heirs to what the creation of an aesthetics of failure is concerned. Both authors carry out an époché of the world that will lead toward the domain of logical reasoning. The presence of the body and others is begrudged by the characters as a burden they should escape from. Kafka elects the animal-body and Beckett the object-body as to appease their influence over consciousness and to expose the inhumanity the body does actually bear. We will ascertain that this particular process of époché isn't restricted to the characters' bodies, but it also spreads out to other individuals' own bodies and to everything that might suffice the creation of any interhuman relationship. However, the release from one's body, from others and from the world gets hold of the characters in a single, claustrophobic place, with no way out: that of consciousness, where, confronted with their own limitations, characters live up to the experience of failure. Death, through the various shapes it undergoes, utterly subdues to life, and represents one of the aspects of failure, constantly persistent in the writings of these authors. Besides experiencing death in life their characters do not defy searching for something that will keep on being vague, indefinable, and, above all, unattainable. All their oeuvre can be interpreted through a common figure of speech, that of the aporia. Both share this aporetical writing that alternates between the affirmation and the negation of a same term. Therefore, in this particular way, both writers hinder the sense of clinging to something and, so, guarantee the permanence of failure. Kafka and Beckett edify writing in debris ruled by the continuous movement of construction/deconstruction, thus creating artificial debris. These ruins summon forthwith the silence(s), so regular in their texts. It is a melancholic gaze that which portrays their peculiar view on both Mankind and the world.
Description: Tese de doutoramento em Estudos Literários (Literatura Comparada), apresentada à Universidade de Lisboa através da Faculdade de Letras, 2008
URI: http://hdl.handle.net/10451/545
Appears in Collections:FL - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
16429_td_Natalia_Laranjinha.pdf1.35 MBAdobe PDFView/Open
Restrict Access. You can request a copy!
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE