Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Ciências (FC) >
FC - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/5619

Título: Susceptibilidade dos vírus Influenza circulantes em Portugal
Autor: Uva, Mafalda Bernes de Sousa
Orientador: Andrade, Helena Rebelo de
Tenreiro, Ana Maria
Palavras-chave: Vírus
Influenza
Imunologia
Teses de mestrado - 2009
Issue Date: 2009
Resumo: Existem disponíveis, actualmente, quatro fármacos para o tratamento e profilaxia de infecções provocadas por vírus Influenza: a amantadina, a rimantadina, o zanamivir e o oseltamivir. O oseltamivir (Tamiflu®) e o zanamivir (Relenza®), pertencentes à classe dos inibidores da neuraminidase, são as drogas antivirais mais utilizadas no tratamento e profilaxia da gripe sazonal e da actual gripe pandémica. Dos dois inibidores da neuraminidase, o oseltamivir é o antiviral predominantemente utilizado. Ultimamente, tem vindo a ser verificado um aumento global da emergência de estirpes resistentes ao oseltamivir, enquanto até à data muito poucos são os casos reportados de resistência ao zanamivir. No presente estudo, foi investigada a susceptibilidade ao zanamivir em 297 estirpes de vírus Influenza circulantes em Portugal da época de Inverno de 2004/2005 até à época de Inverno de 2008/2009. A susceptibilidade ao zanamivir de cada estirpe viral foi determinada recorrendo a ensaios fenotipicos de fluorescência. A análise dessas 297 estirpes revelou que todas as estirpes de vírus A(H1N1) e A(H3N2) testadas são susceptíveis ao zanamivir. Foram identificadas duas estirpes de vírus do tipo B com susceptibilidade diminuída ao zanamivir. Numa dessas estirpes não se identificou nenhuma mutação, no gene da neuraminidase, que fosse responsável pela diminuição da susceptibilidade ao antiviral. Na outra estirpe com susceptibilidade diminuída ao zanamivir, identificaram-se no produto biológico original duas populações virais, uma com a mutação na posição D198N, no local activo da neuraminidase, e outra sem essa mutação. A mutação na posição D198N encontra-se associada à resistência a ambos os inibidores da neuraminidase e justifica a baixa susceptibilidade apresentada por essa estirpe. O presente estudo veio mais uma vez demonstrar aquilo que tem sido observado em muitos outros países do mundo, uma reduzida emergência de estirpes resistentes ao zanamivir. Desse modo, o zanamivir constitui uma boa alternativa ao oseltamivir para tratamento e profilaxia tanto da gripe sazonal como da gripe pandémica.
There are currently available four drugs for treatment and prophylaxis of infections caused by Influenza virus: amantadine, rimantadine, zanamivir and oseltamivir. Oseltamivir (Tamiflu ®) and zanamivir (Relenza ®), belonging to the class of neuraminidase inhibitors are the drugs most commonly used for antiviral treatment and prophylaxis of seasonal and the current pandemic influenza. Between the two neuraminidase inhibitors, oseltamivir is the antiviral most predominantly used. Lately it has been found an overall increase in the emergence of oseltamivir resistant strains, whereas to date are very few reported cases of resistance to zanamivir. In this study, we investigated the susceptibility to zanamivir of 297 strains of influenza virus circulating in Portugal of the winter season of 2004/2005 to the winter season 2008/2009. The susceptibility to zanamivir of each viral strain was determined using fluorescence phenotypic testing. The analysis of 297 strains revealed to be susceptible to zanamivir all strains of virus A (H1N1) and A (H3N2) tested. We identified two strains of type B viruses with reduced susceptibility to zanamivir. In one strain we did not identify any mutation in the neuraminidase gene, which was responsible for decreased susceptibility to antiviral presented. In the other strain with reduced susceptibility to zanamivir has been identified in the primary clinical specimen two biologic viral populations, one with the mutation D198N, in the neuraminidase active site, and one without her. The D198N mutation is described for resistance to both neuraminidase inhibitors and accounts for the low susceptibility by this strain. This study has once again demonstrated what has been observed in many other countries in the world, a reduced emergence of strains resistant to zanamivir. Thus, it appears that zanamivir is a good alternative to oseltamivir for both treatment and prophylaxis of seasonal and pandemic influenza.
Descrição: Tese de mestrado. Biologia (Microbiologia Aplicada). Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, 2009
URI: http://hdl.handle.net/10451/5619
Appears in Collections:FC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulfc099923_mafalda_uva.pdf1,18 MBAdobe PDFView/Open
Restrict Access. You can request a copy!
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia