Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Letras (FL) >
FL - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/563

Title: Ritual e poder : a visão revolucionária do teatro de Wole Soyinka
Authors: Figueiredo, Rosa Branca Almeida, 1973-
Advisor: Serôdio, Maria Helena, 1948-
Keywords: Literatura nigeriana
Teatro
Dramaturgia
Teses de doutoramento
Issue Date: 2008
Abstract: O estudo que a seguir se apresenta pretende olhar para o drama africano de expressão inglesa, em particular o teatro de Wole Soyinka: delimitar o seu perímetro, analisar formações estéticas e ideológicas, apontar as principais influências e destacar as grandes temáticas. A dramaturgia soyinkiana segue, basicamente, dois modelos: o satírico e o trágico. O primeiro usa uma linguagem crítica, denunciando o substrato corrupto da má-formação pós-colonial, bem como do seu antecedente colonial; o último serve como espaço discursivo onde a mudança política e social é representada como constituindo uma possibilidade em aberto. No entanto, no enquadramento geral da obra de Soyinka, ambos os modelos constituem estratégias para que o autor se envolva com o hegemónico, sendo que a sátira e a tragédia podem ser combinadas de modo a oferecerem um olhar penetrante sobre a trágica banalidade do poder pós-colonial. Este estudo foca ainda a persistente exploração, por parte de Soyinka, do potencial do mito e do ritual para chegar a um entendimento do comportamento da sociedade - africana e universal - contemporânea. O ritual faz parte intrínseca da consciência revolucionária e da visão dramática do autor aqui estudado, servindo, ainda, como enquadramento principal para uma técnica teatral que incorpora, simultaneamente, elementos tradicionais africanos e estratégicas artísticas da literatura e do teatro ocidentais. Ao longo de mais de quarenta anos de carreira, o padrão literário do dramaturgo tem-se deslocado, visivelmente, de uma inicial abstracção, fortemente marcada por um misticismo e simbolismo obscuro, para uma acessibilidade mais imediata e agressiva na representação social. É esse o trajecto que o leva da peça A Dance of the Forests (1960), de uma extrema complexidade simbólica e mítica, à mais mundana, mas não menos pungente, crítica social de King Baabu (2002).
This study is designed to cast a quick glance at the growing output of the anglophone African drama, particularly the theatre of Wole Soyinka, establish its perimeters, look at certain levels of aesthetic and ideological formations, determine some of the major influences at work and pinpoint its main themes. Soyinka primarily works within the modes of both satire and tragedy, employing the former principally as the language of critique, of revealing the corrupt underbelly of the post-colonial malformation as well as its colonial antecedent, and the latter as the discursive site where political and social change are enacted as possibility. However, in Soyinka's framework, these are merely strategies rather than irrevocably separate modalities of engaging with the hegemonic, for satire and tragedy can be profitably combined to offer the most piercing gaze at the tragic banality of post-colonial power. This study also focuses on Soyinka's persistent exploration of the potential of myth and ritual for understanding social behaviour in contemporary society african and universal. Ritual forms part of Soyinka's revolutionary consciousness and dramatic vision; furthermore it is used as a framework for a theatrical technique which incorporates elements of traditional African and Western theatrical modes. For more than forty years of literary activity Soyinka reveals a pattern of transition from an abstraction and obscure symbolism and mysticism to more immediate and aggressive accessibility; a gradual disregard of subtlety from the highly rarefied to the most elemental, direct and confrontational approach to social representation. From the almost impenetrably mystical, symbolic and mythical A Dance of the Forests (1960) to the more mundane King Baabu (2002) is discernible a progressive initiative from obtuse allegory and symbolism towards pungent and aggressive social criticism.
Description: Tese de doutoramento em Estudos Artísticos (Estudos de Teatro), apresentada à Universidade de Lisboa através da Faculdade de Letras, 2008
URI: http://sibul.reitoria.ul.pt/F/?func=item-global&doc_library=ULB01&type=03&doc_number=000533759
http://hdl.handle.net/10451/563
Appears in Collections:FL - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
16441_Doutoramento%20Rosa%20Branca.pdf2.2 MBAdobe PDFView/Open
Restrict Access. You can request a copy!
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE