Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Ciências (FC) >
Departamento de Educação (FC-DE) >
Centro de Investigação em Educação (FC-DE-CIE) >
GI Educação, Desenvolvimento e Formação (FC-DE-CIE-GIEDF) >
FC-DE-CIE-GIEDF - Artigos em Revistas Nacionais >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/5805

Título: O que falta aos alunos para serem bons a matemática? Uma abordagem psico-educacional
Autor: Veiga, Feliciano
Palavras-chave: Rendimento em Matemática
Competências comunicacionais
Formação de professores
Issue Date: 2005
Citação: Veiga, F.. (2005). O que falta aos alunos para serem bons a matemática? Revista de Psicologia, Educação e Cultura, IX (1), 35-53, 2005.
Resumo: A presente investigação apresenta dois estudos. No estudo 1, analisa-se a relação entre o rendimento em Matemática e outras variáveis — pessoais, escolares e familiares. A amostra foi constituída por 475 alunos do 7º ao 9º ano de escolaridade. Como instrumentos, foram utilizados o Self-Concept as a Learner Scale (SCAL), e a Escala de Disrupção Escolar Professada pelos Alunos (EDEP), com qualidades psicométricas previamente estudadas (Veiga, 1996). O recurso à regressão múltipla por etapas (procedimento regression/stepwise) pôs em relevo as variáveis que apresentaram um contributo significativo para a explicação da variância do rendimento em Matemática. Os resultados são discutidos em termos da importância de tais variáveis, junto de alunos, professores e familiares. O estudo 2 foi de tipo experimental e teve como objectivo investigar os efeitos da utilização, pelos professores, do programa de intervenção com o Modelo Comunicacional Ecléctico (Veiga, 2001), no rendimento em Matemática e variáveis a ele associadas. Depois de ter recebido formação no MCE, um professor aplicou-o a alunos do 8º ano de escolaridade. O rendimento em Matemática foi avaliado antes e após a realização da experiência (intervenção). Ao grupo experimental foi aplicado o programa MCE, e o grupo de controlo continuou a ser objecto do tipo de relação professor-aluno, até aí havido. A intervenção teve a duração aproximada de 18 semanas de aulas. Os resultados destacam benefícios para os alunos do grupo experimental, com melhoria do rendimento em Matemática, bem como de outras variáveis associadas a tal rendimento. No seu conjunto, os estudos apresentados relevam a importância de conhecer as variáveis que explicam a variância dos resultados em Matemática e de nelas intervir com programas adequados.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10451/5805
Appears in Collections:FC-DE-CIE-GIEDF - Artigos em Revistas Nacionais

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Oquefaltaaosalunos.pdf5,42 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE