Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Ciências (FC) >
Departamento de Educação (FC-DE) >
Centro de Investigação em Educação (FC-DE-CIE) >
GI Educação, Desenvolvimento e Formação (FC-DE-CIE-GIEDF) >
FC-DE-CIE-GIEDF - Artigos em Revistas Nacionais >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/5805

Título: O que falta aos alunos para serem bons a matemática? Uma abordagem psico-educacional
Autor: Veiga, Feliciano
Palavras-chave: Rendimento em Matemática
Competências comunicacionais
Formação de professores
Issue Date: 2005
Citação: Veiga, F.. (2005). O que falta aos alunos para serem bons a matemática? Revista de Psicologia, Educação e Cultura, IX (1), 35-53, 2005.
Resumo: A presente investigação apresenta dois estudos. No estudo 1, analisa-se a relação entre o rendimento em Matemática e outras variáveis — pessoais, escolares e familiares. A amostra foi constituída por 475 alunos do 7º ao 9º ano de escolaridade. Como instrumentos, foram utilizados o Self-Concept as a Learner Scale (SCAL), e a Escala de Disrupção Escolar Professada pelos Alunos (EDEP), com qualidades psicométricas previamente estudadas (Veiga, 1996). O recurso à regressão múltipla por etapas (procedimento regression/stepwise) pôs em relevo as variáveis que apresentaram um contributo significativo para a explicação da variância do rendimento em Matemática. Os resultados são discutidos em termos da importância de tais variáveis, junto de alunos, professores e familiares. O estudo 2 foi de tipo experimental e teve como objectivo investigar os efeitos da utilização, pelos professores, do programa de intervenção com o Modelo Comunicacional Ecléctico (Veiga, 2001), no rendimento em Matemática e variáveis a ele associadas. Depois de ter recebido formação no MCE, um professor aplicou-o a alunos do 8º ano de escolaridade. O rendimento em Matemática foi avaliado antes e após a realização da experiência (intervenção). Ao grupo experimental foi aplicado o programa MCE, e o grupo de controlo continuou a ser objecto do tipo de relação professor-aluno, até aí havido. A intervenção teve a duração aproximada de 18 semanas de aulas. Os resultados destacam benefícios para os alunos do grupo experimental, com melhoria do rendimento em Matemática, bem como de outras variáveis associadas a tal rendimento. No seu conjunto, os estudos apresentados relevam a importância de conhecer as variáveis que explicam a variância dos resultados em Matemática e de nelas intervir com programas adequados.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10451/5805
Appears in Collections:FC-DE-CIE-GIEDF - Artigos em Revistas Nacionais

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Oquefaltaaosalunos.pdf5,42 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia