Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (IGOT) >
IGOT - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/6068

Título: Política externa de promoção da língua: relação Portugal-Itália
Autor: Silva, Susana Colaço Rocha da,1983-
Orientador: Henriques, Eduardo Brito,1969-
Palavras-chave: Língua portuguesa como língua estrangeira - Ítalia
Língua italiana como língua estrangeira - Portugal
Ensino de línguas
Política linguística - Países da União Europeia
Multilinguismo - Países da União Europeia
Teses de mestrado - 2011
Issue Date: 2011
Resumo: Seguindo a tendência internacional de valorização e defesa da diversidade linguística, e dando plena concretização a um dos seus princípios mais fundamentais, a União Europeia tem hoje uma estratégia de promoção do multilinguismo quer no espaço europeu, quer dos seus cidadãos, que se traduz no objectivo da “língua materna mais duas línguas estrangeiras”. Mas os resultados obtidos pelos programas europeus que concorrem para este fim denunciam a falta de uma verdadeira reflexão sobre as diferentes funções e condições de utilização das línguas faladas no espaço europeu, e a falta de uma clara definição dos objectivos, por vezes contraditórios, subjacentes à política europeia de promoção do multilinguismo. Numa área que se mantém sobretudo da competência dos Estados, e em que a acção da União Europeia se limita a apoiar e complementar a sua acção e coordenar a cooperação entres estes, as políticas nacionais são determinantes. Na convicção de que o sucesso das políticas públicas de promoção das línguas depende em grande medida deste tipo de análise e reflexão, o presente trabalho estuda as políticas de ensino das línguas italiana e portuguesa como línguas estrangeiras em Portugal e Itália, respectivamente, procurando conhecer os seus públicos, as suas funções, os estatutos que aí têm, e a posição que ocupam no quadro da competição entre as línguas nestes contextos específicos.
ABSTRACT: Sulla base del recente trend internazionale verso la valorizzazione e la difesa della diversità linguistica, e in attuazione di uno dei suoi principi fondamentali, l‟Unione europea promuove oggi una strategia di promozione del multilinguismo sia nello spazio europeo, sia dei suoi cittadini, finalizzata all‟obiettivo di “una lingua materna più due lingue straniere”. Tuttavia, i risultati ottenuti dai programmi europei in questo ambito evidenziano l‟assenza di un‟autentica riflessione sulle differenti funzioni e condizioni di utilizzazione delle lingue parlate nello spazio europeo, ed un‟opaca definizione degli obiettivi da perseguire, a volte contradditori. In larga parte, si tratta dunque di un‟area che continua a fondarsi sulla competenza dei singoli Stati membri, mentre l‟Unione europea si limita per lo più ad incoraggiare la cooperazione tra gli Stati e, se necessario, ad appoggiare ed integrare la loro azione. Nella convinzione che il successo di ogni politica statale di promozione della lingua dipenda da questo tipo di riflessione ed analisi, la presente ricerca è finalizzata allo studio delle politiche di insegnamento della lingua italiana e di quella portoghese come lingue straniere, rispettivamente, in Portogallo e Italia, con l‟obiettivo di conoscerne il pubblico a cui si rivolgono, le funzioni e gli statuti in entrambi i Paesi, e di valutare la posizione che esse occupano nel quadro di competizione tra le lingue negli specifici contesti di riferimento.
ABSTRACT: Following the international trend of linguistic diversity promotion, and giving full effect to one of its most fundamental principles, the European Union has developed a strategy for promoting multilingualism in Europe, encouraging its citizens towards an individual multilingualism with the „mother tongue plus two foreign languages‟ goal. However, the results achieved by the European programs denounce the lack of true reflection on the different roles and the different conditions of use of the languages spoken in Europe, as well as the lack of a clear definition of the (sometimes conflicting) purposes that underline the European policy for multilingualism. In an area that is still mainly a responsibility of member States, national policies are crucial. In contrast, the EU action is limited to support and complement member States‟ actions and coordinate cooperation among them. The purpose of this research is to study the Italian and Portuguese policies of language teaching respectively in Italy and Portugal as foreign languages. With the conviction that the success of public policies of languages promotion depends largely on this type of analysis and reflection, we focus on the audiences, functions, and statutes of these languages in both countries, as well as their position in the context of competition between languages.
Descrição: Tese de mestrado, Geografia - Políticas Europeias, Universidade de Lisboa, Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, 2011
URI: http://hdl.handle.net/10451/6068
Appears in Collections:IGOT - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
igotul001439_tm.pdf2,72 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia