Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Medicina (FM) >
FM - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/6290

Título: Caracterização e abordagem das necessidades espirituais do doente em final de vida : visão integrada dos profissionais de cuidados paliativos
Autor: Martins, Vilma Raquel Ferreira, 1979-
Orientador: Baptista, Telmo Ventura Mourinho, 1959-
Barbosa, António, 1950-
Palavras-chave: Cuidados paliativos
Espiritualidade
Pessoal de saúde
Equipe de assistência ao paciente
Teses de mestrado - 2012
Issue Date: 2011
Resumo: Cuidar um doente terminal, envolve a prestação de cuidados integrais que respondam às suas necessidades mais prementes, incluindo as espirituais. Neste trabalho exploratório procurou-se aprofundar esta temática, através da obtenção de dados empíricos sobre: a) avaliação e abordagem das necessidades espirituais (NE); b) identificação de quais as barreiras encontradas e recursos utilizados na sua abordagem; e c) importância que os profissionais atribuem aos seus auto-cuidados espirituais. Foi construído um questionário ad hoc auto-administrado – Questionário Sobre Necessidades Espirituais, ao qual se anexou o Spiritual Well-Being Questionnaire. Estes questionários foram distribuídos via correio, tendo sido enviados 177 exemplares e devolvidos 57. A categorização das NE foi baseada na proposta taxonómica construída por Puigarnau, et al.87, na qual evidenciaram 3 domínios. No domínio interpessoal obtiveram-se 44% do total de expressões recolhidas, no intrapsíquico, 17% e no transpessoal, 39%. Mais de 50% dos profissionais admitiram apresentar dificuldade em identificar este tipo de necessidades, 40% expressaram muitas vezes ou sempre abordar o tema com os seus doentes e apenas 27% referiram que este não é abordado nas sessões clínicas de trabalho. Todos os elementos da equipa interdisciplinar deverão ser responsáveis pela prestação de cuidados espirituais, embora os assistentes espirituais (72%), os capelães (72%) e os psicólogos (60%) tenham sido considerados os profissionais com mais formação na área e disponibilidade para o fazer. Foram obtidas 257 barreiras, 195 das quais, relacionadas com os próprios profissionais, 53 com o doente e/ou família e 9, com factores institucionais. Relativamente aos 175 recursos encontrados, estes foram agrupados nas seguintes categorias: competências cognitivas (≈49%), afectivas (≈13%), de comunicação (≈34%), pessoais (≈1%) e atitudes defensivas (≈3%). Porém, 85% dos profissionais referiram não aplicar qualquer instrumento de rastreio e 91%, não utilizar protocolo e/ou metodologia que lhes permita intervir estruturadamente. Os participantes evidenciaram um valor médio/elevado (3,7; DP=.51) de bem-estar espiritual. Realça-se a importância de dispor de um modelo universal de atenção espiritual, coadjuvado por instrumentos de rastreio e protocolo/metodologia estruturados, bem como, a possibilidade de vir a desenvolver um grupo de trabalho sobre espiritualidade, a nível nacional.
Caring for a terminally ill implies the providing of comprehensive care that meet their most pressing needs, including such as spiritual. In this exploratory study, we aimed for a deeper analysis on this issue, by the empirical data collecting, about: a) spiritual needs assessment and approach (SN); b) identification of barriers and the resources used on their approach; c) the importance given by the professionals to their spiritual self-care. A self-administered ad-hoc questionnaire was constructed – Questionário sobre Necessidades Espirituais, to which the Spiritual Well-Being Questionnaire was attached. These questionnaires were distributed via mail, and of the 177 sent copies, 57 were returned. The SN categorization was based on taxonomic proposal constructed by Puigarnau, et al.87, in which 3 area were highlighted. In the interpersonal area were obtained 44% of collected expressions, 17%, in the intrapsychic and 39% in the transpersonal. Over 50% of professionals admitted to have difficulties in the identification of this type of needs, 40% related often or always address the issue with their patients and only 27% said that this issue is not addressed in their clinic sessions. All the interdisciplinary team elements should be responsible for providing spiritual care, although the spiritual assistants (72%), chaplains (72%) and psychologists (60%) had been considered as having more training and availability to do it. It was identified 257 barriers, 195 of which related to the professionals, 53 with the patient or family and 9 with institutional factors. Regarding the 175 resources found, these were grouped into the following categories: cognitive (≈49%), affective (≈13%), communication (≈34%), personal (≈1%) skills and defensive attitudes (≈3%). However, 85% of professionals reported not to apply any screening instrument and 91% not to use any protocol and/or method that allows a structured intervention. Individuals evidenced a moderate/high spiritual well-being (3,7; DP=.51). Therefore is highlighted the importance of having a universal model of spiritual care, assisted by screening instruments and structured protocol/methodology, as well as the development of a national level spirituality workgroup.
Descrição: Tese de mestrado, Cuidados Paliativos, Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa - 2012
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10451/6290
Appears in Collections:FM - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
643534_Tese.pdf7,95 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia