Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Reitoria (REIT) >
REIT - Teses de Doutoramento (Programa interuniversitário) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/7373

Título: O espelho fraterno:o Brasil no discurso do republicanismo português:(c.1889-c.1914)
Autor: Silva, Maria Isabel Carvalho Corrêa da, 1981-
Orientador: Ramos, Rui, 1962-
Palavras-chave: Republicanismo - Brasil - séc.19-20
Republicanismo - Portugal - séc.19-20
História política
Teses de doutoramento - 2012
Issue Date: 2012
Resumo: A pergunta de partida deste projecto consiste em perceber como é que o exemplo da República Brasileira (1889) foi interpretado e incorporado no discurso republicano desde o período da propaganda até aos primeiros momentos de consolidação jurídico-legal da primeira República Portuguesa (1911). A pesquisa desenvolvida sugere que, embora tenha sido recorrentemente utilizado como dispositivo retórico no combate político à Monarquia constitucional, o exemplo brasileiro acabou por não ser objecto de análise consistente, nem de reflexão crítica por parte dos republicanos portugueses, que a ele recorreram essencialmente para fins demagógicos ou propagandísticos. Identificaram-se dois eixos explicativos para esta situação: 1) as diferenças de fundo relativamente aos conceitos de república subjacentes a cada um dos projectos políticos (o republicanismo brasileiro mais próximo do modelo liberal norte-americano, o português mais radical e próximo do francês); 2) as distintas conjunturas e culturas políticas em que se desenvolveram cada um dos movimentos de contestação política ao statu quo. A república conservadora e elitista em que se transformou o Brasil não conseguiu servir de bom figurino para os republicanos portugueses, que tinham um projecto de transformação cultural da sociedade. E no entanto, parecia impensável a ideia de desperdiçar o potencial mobilizador que o exemplo da república irmã podia exercer na opinião pública. É nesta dimensão instrumental que o agenciamento da colónia portuguesa ganha relevância: esta comunidade, embora se apresentasse como um exemplar modelo de capacidade de mobilização cívica, era manifestamente monárquica e repudiava a república. Mas depois de 1910 a República Portuguesa não podia mesmo dispensar os portugueses residentes no Brasil do seu projecto de consolidação da fraternidade luso-brasileira. Era a própria imagem internacional do novo regime que estava em jogo. Por isso, entre 1910 e 1914, a diplomacia portuguesa teve de percorrer um intrincado percurso para apaziguar os impulsos contrarevolucionários dos talassas do Brasil.
This project involves discovering and understanding how the example of the Brazilian Republic (1889) was interpreted and incorporated into the republican discourse from the propaganda period to the moment of legal consolidation of the I Portuguese Republic (1911). The research suggests that the Brazilian model was not effectively submitted to a consistent analysis or to a critical observation by the Portuguese republicans. However it was repeatedly used as a rhetorical device in political opposition to the Constitutional Monarchy: mainly for demagogic purposes or propaganda. Two main explanations were identified for this: 1) the ideas of republic that each political project sustained were fundamentally different (Brazilian republicanism closer to the north-American liberalism, Portuguese republicanism closer to the radical French model); 2) the political context and cultures that gave birth to each movement were also very distinct. The Brazilian conservative and elitist republic failed to serve as a good mirror to the Portuguese republicans, who nourished a project of a cultural revolution for Portuguese society. But the image of a sister republic as stimulus to the public opinion could not be wasted. Portuguese community in Brazil played a crucial role in this mainly instrumental dimension: this community presented itself as an exemplary model of civic mobilization although it was clearly monarchic and anti-republican. And yet after 1910 the Portuguese Republic could not sustain its discourse of a Luso-Brazilian fraternity without the support of these Portuguese emigrants, while it was the international prestige of the new regime that was at stake. Therefore, between 1910 e 1914, the Portuguese diplomacy faced a serious challenge on appeasing the counter-revolutionary impulses of Portuguese talassas (monarchist) in Brazil.
Descrição: Teses de Doutoramento no âmbito do Programa Interuniversitário.Tese de doutoramento, História (Dinâmicas do Mundo Contemporâneo), Universidade de Lisboa, com a participação do ISCTE- Instituto Universitário de Lisboa, Universidade Católica Portuguesa, Universidade de Évora, 2012
URI: http://hdl.handle.net/10451/7373
http://catalogo.ul.pt/F/?func=item-global&doc_library=ULB01&type=03&doc_number=000655806
Appears in Collections:REIT - Teses de Doutoramento (Programa interuniversitário)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulsd063777_td_Maria_Silva.pdf2,49 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia