Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/7424
Título: Meter and rhythm in the poetry of Fernando Pessoa
Autor: Ferrari, Patricio, 1975-
Orientador: Frota, Sónia, 1964-
Pizarro, Jerónimo, 1977-
Palavras-chave: Pessoa,Fernando,1888-1935 - Versificação
Poesia portuguesa - séc.20 - História e crítica
Língua portuguesa - Versificação
Teses de doutoramento - 2012
Data de Defesa: 2012
Resumo: This study argues that poetic meter and poetic rhythm played an important role in the shaping of Pessoařs and the (pre-)heteronymsř literary styles. What is more, it contends that selected literary models were adapted not only in terms of themes and diction, but also through metrics. Throughout his life Fernando Pessoa composed verse in three languages where stress, a prosodic feature with a rhythmic distribution, begins at a different level of the prosodic hierarchy (English [foot-based], Portuguese [prosodic word-based], and French [phrase-based]). This prosodic characteristic served him to regulate poetic rhythm differently according to each language. Because poetic meter is also a cultural aesthetic construct, the realization of poetic rhythm does not always necessarily match linguistic rhythm. I shall illustrate this through instances in the two long-line canonical meters Pessoa practiced most, the iambic pentameter and the decassílabo. Particularly in two of his heteronyms (Alberto Caeiro and Álvaro de Campos) there is a substantial body of free verse. I show how some of their lines, primarily Camposřs, are the result of experiments in syllabo-tonic verse (atypical for Portuguese, a language whose prosodic system is syllabic). Metrical differences between Ricardo Reisřs Odes (Livro Primeiro) and Pessoařs Mensagem are also connected to stress regulation, a prosodic feature that in Portuguese generally serves poets for variety and not regularity. Pessoařs attempts at quantitative verse in Portuguese (a language that is not quantity-sensitive like English) are briefly presented. Some metrical shortcomings and prosodic anomalies, particularly in the iambic pentameter of his Quental translations and the 35 Sonnets, are quantified and thoroughly discussed. Last but not least, I show how metrics may serve as a tool for transcribing Pessoařs poetry. Documentation from the poetřs private library concerning poetic meter and poetic rhythm, as well as unpublished autograph documents of French and English poems, scansions, and writings on metrics, inter alia, are given in appendices.
Este estudo pretende revelar que metros e ritmos poéticos desempenharam um papel importante na formação dos estilos literários de Fernando Pessoa-ortónimo e (pré)heterónimos-e que os seus modelos literários foram seguidos não apenas em termos de temáticas e dicção, mas também por via da métrica. Ao longo da sua vida, Pessoa escreveu versos em três línguas, cujo acento, traço prosódico com distribuição rítmica, se caracteriza por operar em níveis diferentes da hierarquia prosódica (sendo, no caso do inglês baseado no pé, no caso do português na palavra prosódica, e no caso do francês no sintagma fonológico). Estas diferentes características prosódicas das línguas serviram para Pessoa regular o ritmo poético de acordo com cada uma destas línguas. Dado que o metro poético é também uma construção estética e cultural, o ritmo poético nem sempre coincide com o ritmo linguístico. Tal será ilustrado mediante dois metros canónicos de verso longo que Pessoa mais praticou, o pentâmetro jâmbico inglês e o decassílabo português. Dois dos seus heterónimos (Alberto Caeiro e Álvaro de Campos) apresentam um grande manancial de verso livre. Mostrar-se-á o modo como alguns dos seus versos, principalmente de Campos, são o resultado de experimentação em verso sílabo-tónico (atípico em português, língua com um sistema prosódico em que a proeminência tem uma base silábica). Diferenças métricas entre as odes de Ricardo Reis Odes (Livro Primeiro) e a Mensagem estão também relacionadas com a regulação acentual, um traço prosódico que em português serve um propósito normalmente de variedade e não de regularidade. Serão apresentadas tentativas de Pessoa de aplicar o verso quantitativo no português (uma língua que ao contrário do inglês não é sensível ao peso) e enumeradas, analisadas e discutidas algumas insuficiências métricas e anomalias prosódicas, particularmente no pentâmetro jâmbico das suas traduções de Quental e nos 35 Sonnets. Finalmente, procurar-se-á demonstrar a relevância da métrica para o trabalho de transcrição da poesia de Pessoa. Em anexo, figurarão documentos da biblioteca particular do poeta relacionados com métrica poética e ritmo poético, bem como documentos autógrafos de poemas em inglês e francês, escansões e escritos de Pessoa sobre o tema da métrica.
Descrição: Tese de doutoramento, Linguística (Linguística Portuguesa), Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, 2012
URI: http://hdl.handle.net/10451/7424
http://catalogo.ul.pt/F/?func=item-global&doc_library=ULB01&type=03&doc_number=000655766
Aparece nas colecções:FL - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulsd063784_td_Patricio_Ferrari.pdf8,71 MBAdobe PDFVer/Abrir    Acesso Restrito. Solicitar cópia ao autor!


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.