Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/7987
Título: Sisal em carne viva: poder, ciência e o problema do trabalho numa economia de plantação (Moçambique, c. 1930-1960)
Autor: Galvão, Inês Neto
Orientador: Sobral, José Manuel
Domingos, Nuno
Palavras-chave: Estado Novo
Colonialismo
História institucional
Agricultura
Trabalho
Moçambique
Teses de Mestrado - 2013
Data de Defesa: 2013
Resumo: Durante a década de 1950, entre as inovações partilhadas nas assembleias técnicas da Associação dos Produtores de Sisal de Moçambique, encontram-se propostas de organização social da produção que denotam preocupações relativas à formação de uma força de trabalho indígena, para ultrapassar a dependência do sector de mão-de-obra obtida com intervenção das autoridades. Num contexto em que a mecanização dos campos e a redução dos custos de produção estavam na ordem do dia, transparece das estratégias delineadas para atrair e estabilizar mão-de-obra nas plantações uma ideia de desenvolvimento económico assente na possibilidade de modelar o “espírito indígena” e inculcar nele “noções de civilização” e “necessidades” que o arrancariam de uma alegada indolência natural. Nesta dissertação procuramos compreender o contexto de emergência da Associação e entender o papel que desempenhou no Estado Novo colonial. A discussão do problema da mão-de-obra nas assembleias técnicas é analisada à luz do regime do indigenato e das estruturas económicas e políticas em que se inseria esta economia de plantação.
During the 1950s, amongst the innovations shared within the technical assemblies held by Mozambique Sisal Growers’ Association, we can find proposals about the social organization of production denoting concerns related with the making of a native working class, for overcoming this sector’s dependency on authorities’ intervention to obtain labour force. In a context where field mechanization and the reduction of production costs were utmost matters, it is possible to see through the strategies then delineated, to attract and stabilize labour force on plantations, an idea of economic development sustained by the possibility of transforming the “native’s spirit” by inculcating “notions of civilization” and “needs” that would pull him from an alleged natural indolence. In this dissertation we try to understand in what context was this Association created, as well as the role it performed in colonial Estado Novo. Discussions around labour issues at the technical assemblies are analysed on the light of the indigenat and of economic and political structures in which this plantation economy was inserted.
Descrição: Tese de Mestrado em Antropologia Social e Cultural, apresentada à Universidade de Lisboa, através do Instituto de Ciências Sociais em 2013
URI: http://hdl.handle.net/10451/7987
Aparece nas colecções:ICS - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação_final_CD.pdf1,17 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.