Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/8412
Título: Da semelhança no desenho
representação e dispositivos ópticos em imagens desenhadas
Autor: Marcelino, Américo, 1969-
Orientador: Saraiva, Pedro, 1952-
Palavras-chave: Desenho
Óptica
Representação
Camera obscura
Camera lucida
Hockney, David, 1937-
Ingres, Jean-Auguste Dominique, 1780-1867
Canaletto, 1697-1768
Brunelleschi, Filippo, 1377-1446
Caravaggio, Michelangelo de, 1573-1610
Teses de doutoramento - 2012
Data de Defesa: 2012
Resumo: Partindo da ideia enraizada da semelhança como critério de figuração, recupera-se o debate entre o que há de convencional, de natural, de inato e de cultural nas representações tendo como eixo director o desenho enquanto disciplina primordial nas artes visuais. O estudo centra-se nos paradigmas da figuração e de semelhança que têm vigorado na tradição pictórica ocidental, sobretudo balizados entre dois marcos históricos fundamentais: da invenção da perspectiva à invenção da fotografia. O enfoque explora com particular relevância as relações entre a praxis do desenho e os modelos de representação assentes na ideia seminal de projecção. Destaca-se o arquétipo da imagem projectada, consubstanciada nas visões da perspectiva e da óptica, pela sua relevância enquanto paradigma de representação que acabaria por vigorar na nossa cultura visual. Neste contexto, elege-se a relação entre desenho e dispositivos ópticos, nomeadamente a câmara obscura e a câmara lúcida, enquanto modelo paradigmático do desejo de verosimilhança, legitimada pela ideia neutral de “olho artificial”. A investigação das ligações entre arte e óptica passa em revista certos aspectos do debate levantado por David Hockney (2001), discutindo e sublinhando pontos ainda não explorados. Abordando as questões da vista e do retratar, os dois casos de estudo de fundo, centrados nos desenhos de Antonio Canaletto e de Jean-Auguste-Dominique Ingres, são sintomáticos das flutuações da semelhança entre aquilo que designamos por “visão objectiva” e “olhar subjectivo”. Do confronto entre conceitos de ponto de vista, conformidade, precisão ou invenção, consequentes da relação entre imagem óptica e desenho de observação, a tese procura demonstrar a relatividade e os paradoxos da semelhança na representação, nas suas dimensões de verdade, credibilidade, fidelidade, ilusão, imitação, informação ou inculcação. Este confronto é explorado com o complemento de trabalho prático aplicado no desenho com dispositivos ópticos, disponibilizando dados de pesquisa originais e material de reflexão inédito
Starting from the deep-rooted idea of resemblance as a criterion for the figure, we recall the debate between what is conventional, natural, innate and cultural in representations, taking drawing as a primary discipline in the visual arts. The study focuses on the paradigms of figuration and likeness that have prevailed in the Western pictorial tradition, particularly marked out between two key milestones: from the invention of perspective to the invention of photography. The approach exploits with particular relevance the relations between the praxis of drawing and the models of depiction based on the seminal idea of projection. We emphasize the archetype of the projected image, embodied in the views of perspective and optics, as a relevant paradigm of representation witch becomes a standard in our visual culture. In this frame view, we elect the relationship between drawing and optical devices, specifically the camera obscura and the camera lucida, as paradigmatic models for the ambition of verisimilitude, legitimized by the idea of a neutral "artificial eye". Research on the basis of art and optics review certain aspects of the debate raised by David Hockney (2001), discussing and highlighting some cases that have not yet been explored. Putting in question the subject of view and portraiture, the two main case studies, focused on the drawings of Antonio Canaletto and Jean-Auguste-Dominique Ingres, are symptomatic of the balance on the similarity between what we call "objective view" and "subjective look." From the confrontation between the possible concepts of conformity, point of view, accuracy or invention, arising from the relationship between optical image and drawing from observation, the thesis seeks to demonstrate the paradoxes and the relativity of similarity in depiction, in its dimensions of truth, credibility, fidelity, imitation, illusion, information or inculcation. This confrontation is explored with the complement of a practical fieldwork applied in the drawing with optical devices, providing original research data and new material for reflection
Descrição: Tese de doutoramento, Belas-Artes (Desenho), Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas-Artes, 2012
URI: http://hdl.handle.net/10451/8412
Aparece nas colecções:FBA - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulsd063051_td_vol1.pdf22,34 MBAdobe PDFVer/Abrir
ulsd063051_td_vol2.pdf45,13 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.