Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/9463
Título: Building and evaluating an inconspicuous smartphone authentication method
Autor: Marques, Diogo Homem
Orientador: Carriço, Luís, 1963-
Palavras-chave: Segurança
Usabilidade
Móvel
Gestos
Toque
Teses de mestrado - 2013
Data de Defesa: 2013
Resumo: Os smartphones que trazemos connosco estão cada vez mais entranhados nas nossas vidas intimas. Estes dispositivos possibilitam novas formas de trabalhar, de socializar, e ate de nos divertirmos. No entanto, também criaram novos riscos a nossa privacidade. Uma forma comum de mitigar estes riscos e configurar o dispositivo para bloquear apos um período de inatividade. Para voltar a utiliza-lo, e então necessário superar uma barreira de autenticação. Desta forma, se o aparelho cair das mãos de outra pessoa, esta não poderá utiliza-lo de forma a que tal constitua uma ameaça. O desbloqueio com autenticação e, assim, o mecanismo que comummente guarda a privacidade dos utilizadores de smartphones. Porem, os métodos de autenticação atualmente utilizados são maioritariamente um legado dos computadores de mesa. As palavras-passe e códigos de identificação pessoal são tornados menos seguros pelo facto de as pessoas criarem mecanismos para os memorizarem mais facilmente. Alem disso, introduzir estes códigos e inconveniente, especialmente no contexto móvel, em que as interações tendem a ser curtas e a necessidade de autenticação atrapalha a prossecução de outras tarefas. Recentemente, os smartphones Android passaram a oferecer outro método de autenticação, que ganhou um grau de adoção assinalável. Neste método, o código secreto do utilizador e uma sucessão de traços desenhados sobre uma grelha de 3 por 3 pontos apresentada no ecrã táctil. Contudo, quer os códigos textuais/numéricos, quer os padrões Android, são suscetíveis a ataques rudimentares. Em ambos os casos, o canal de entrada e o toque no ecrã táctil; e o canal de saída e o visual. Tal permite que outras pessoas possam observar diretamente a introdução da chave; ou que mais tarde consigam distinguir as marcas deixadas pelos dedos na superfície de toque. Alem disso, estes métodos não são acessíveis a algumas classes de utilizadores, nomeadamente os cegos. Nesta dissertação propõe-se que os métodos de autenticação em smartphones podem ser melhor adaptados ao contexto móvel. Nomeadamente, que a possibilidade de interagir com o dispositivo de forma inconspícua poderá oferecer aos utilizadores um maior grau de controlo e a capacidade de se auto-protegerem contra a observação do seu código secreto. Nesse sentido, foi identificada uma modalidade de entrada que não requer o canal visual: sucessões de toques independentes de localização no ecrã táctil. Estes padrões podem assemelhar-se (mas não estão limitados) a ritmos ou código Morse. A primeira contribuição deste trabalho e uma técnica algorítmica para a deteção destas sucessões de toques, ou frases de toque, como chaves de autenticação. Este reconhecedor requer apenas uma demonstração para configuração, o que o distingue de outras abordagens que necessitam de vários exemplos para treinar o algoritmo. O reconhecedor foi avaliado e demonstrou ser preciso e computacionalmente eficiente. Esta contribuição foi enriquecida com o desenvolvimento de uma aplicação Android que demonstra o conceito. A segunda contribuição e uma exploração de fatores humanos envolvidos no uso de frases de toque para autenticação. E consubstanciada em três estudos com utilizadores, em que o método de autenticação proposto e comparado com as alternativas mais comuns: PIN e o padrão Android. O primeiro estudo (N=30) compara os três métodos no que que diz respeito a resistência a observação e à usabilidade, entendida num sentido lato, que inclui a experiencia de utilização (UX). Os resultados sugerem que a usabilidade das três abordagens e comparável, e que em condições de observação perfeitas, nos três casos existe grande viabilidade de sucesso para um atacante. O segundo estudo (N=19) compara novamente os três métodos mas, desta feita, num cenário de autenticação inconspícua. Com efeito, os participantes tentaram introduzir os códigos com o dispositivo situado por baixo de uma mesa, fora do alcance visual. Neste caso, demonstra-se que a autenticação com frases de toque continua a ser usável. Já com as restantes alternativas existe uma diminuição substancial das medidas de usabilidade. Tal sugere que a autenticação por frases de toque suporta a capacidade de interação inconspícua, criando assim a possibilidade de os utilizadores se protegerem contra possíveis atacantes. O terceiro estudo (N=16) e uma avaliação de usabilidade e aceitação do método de autenticação com utilizadores cegos. Neste estudo, são também elicitadas estratégias de ocultação suportadas pela autenticação por frases de toque. Os resultados sugerem que a técnica e também adequada a estes utilizadores.
As our intimate lives become more tangled with the smartphones we carry, privacy has become an increasing concern. A widely available option to mitigate security risks is to set a device so that it locks after a period of inactivity, requiring users to authenticate for subsequent use. Current methods for establishing one's identity are known to be susceptible to even rudimentary observation attacks. The mobile context in which interactions with smartphones are prone to occur further facilitates shoulder-surfing. We submit that smartphone authentication methods can be better adapted to the mobile context. Namely, the ability to interact with the device in an inconspicuous manner could offer users more control and the ability to self-protect against observation. Tapping is a communication modality between a user and a device that can be appropriated for that purpose. This work presents a technique for employing sequences of taps, or tap phrases, as authentication codes. An efficient and accurate tap phrase recognizer, that does not require training, is presented. Three user studies were conducted to compare this approach to the current leading methods. Results indicate that the tapping method remains usable even under inconspicuous authentications scenarios. Furthermore, we found that it is appropriate for blind users, to whom usability barriers and security risks are of special concern.
Descrição: Tese de mestrado em Engenharia Informática, apresentada à Universidade de Lisboa, através da Faculdade de Ciências, 2013
URI: http://hdl.handle.net/10451/9463
Aparece nas colecções:FC - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulfc104927_tm_Diogo_Marques.pdf15,92 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.