Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/9851
Título: Coping pró-activo e satisfação conjugal : um estudo exploratório
Autor: Inácio, Vanessa Filipa Tavares dos Santos
Orientador: Ribeiro, Maria Teresa, 1962-
Ramalho, Susana Costa
Palavras-chave: Coping
Satisfação conjugal
Casamento - psicologia
Coabitação conjugal
Teses de mestrado - 2013
Data de Defesa: 2013
Resumo: Nesta investigação, de natureza quantitativa, pretendeu-se estudar: 1) a relação entre o coping pró-activo e a satisfação conjugal; 2) as eventuais diferenças das variáveis coping pró-activo e satisfação conjugal quando associadas a outras variáveis como o sexo, a escolaridade, o tipo de relação conjugal, a coabitação prévia, a duração da relação conjugal, os filhos da relação conjugal e a religiosidade; e 3) identificar quais as variáveis que serão melhores preditores da satisfação conjugal. Recorreu-se a uma amostra de 446 participantes (292 do sexo feminino e 154 do sexo masculino) com relacionamentos conjugais (casamento ou coabitação), a quem se aplicou os seguintes instrumentos: um questionário de dados pessoais e sociodemográficos; o Proactive Coping Inventory (PCI) (Schwarzer, 1998; versão portuguesa Costa-Ramalho, S., Marques-Pinto, A., Ribeiro, M.T., 2013) e a Relationship Rating Form - Revised (RRFR) (Davis, 1996; versão portuguesa, Lind, 2008). Os resultados demonstraram que 1) o coping pró-activo está associado a uma maior satisfação conjugal; 2) o coping próactivo e o número de filhos da relação conjugal são os melhores preditores para a satisfação conjugal global; 3) os homens têm níveis superiores de confiança, intimidade e paixão do que as mulheres; 4) os casados têm maior confiança do que os coabitantes e usam mais estratégias de coping pró-activo; 5) à medida que o tempo de duração da relação conjugal aumenta (primeiros dez anos) a satisfação conjugal global diminui; 6) a inexistência de filhos relaciona-se com uma maior satisfação conjugal global e com maiores estratégias de coping pró-activo; 7) a religiosidade, ao nível dos crentes praticantes, está associada a maior confiança, paixão e mais estratégias de coping próactivo em comparação com os crentes não praticantes e não crentes. Com este estudo foi possível tirar algumas conclusões que poderão ter implicações na prática preventiva e clínica, pese o facto de existirem algumas limitações.
The aim of this quantitative investigation is to study: 1) the relationship between proactive coping and marital satisfaction; 2) the possible differences between proactive coping and marital satisfaction variables when related to other variables, such as gender, education, the type of marital relationship, the prior cohabitation, the duration of the marital relationship, the children born from that marital relationship and the religious beliefs; and 3) to identify which variables will be the best predictor variables of marital satisfaction. This study is based on a 446 participants’ sample (292 female participants and 154 male participants) in a marital relationship (marriage or cohabitation), to whom the following surveying instruments have been applied: a personal and sociodemographic data questionnaire; the Proactive Coping Inventory (PCI) (Schwarzer, 1998; Portuguese version Costa-Ramalho, S., Marques-Pinto, A., Ribeiro, M.T., 2013) and the Relationship Rating Form - Revised (RRF-R) (Davis, 1996; Portuguese version, Lind, 2008). The results have demonstrated that 1) the proactive coping is related to a higher marital satisfaction; 2) proactive coping and the number of children born from that marital relationship are the best predictor variables to a global marital satisfaction; 3) men have higher trust, intimacy and passion levels than women; 4) married people have higher trust than cohabitants and use more proactive coping strategies; 5) as the marital relationship duration increases (first ten years) global marital satisfaction decreases; 6) the nonexistence of children is related to a higher global marital satisfaction and higher proactive coping strategies; 7) religious beliefs, concerning practicing believers, is related to higher trust, passion and more strategies of proactive coping compared to non practicing believers and non-believers. This study allowed some conclusions to be made that might have consequences on the preventive and clinical practice, despite some limitations.
Descrição: Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde - Núcleo de Psicologia Clínica Sistémica), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2013
URI: http://hdl.handle.net/10451/9851
Aparece nas colecções:FP - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulfpie044760_tm.pdf5,28 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.