Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/9884
Título: FoxH1 role on the left-right asymmetry
Autor: Fernandes, Vânia Filipa Lima, 1990-
Orientador: Shimeld, Sebastian
Thorsteinsdóttir, Sólveig, 1962-
Palavras-chave: Embriologia animal
Assimetria
Expressão génica
Teses de mestrado - 2013
Data de Defesa: 2013
Resumo: Left-Right (LR) asymmetry is a conserved feature across the Bilateria and is characterized by differential morphogenesis and positioning of internal organs across the LR axis. This pattern is established during early embryogenesis and involves a number of highly regulated developmental mechanisms. Based on the fact that initially all organisms appear morphologically symmetric (zygotes or early embryos), a major question emerged: how symmetry is broken internally and which is the first asymmetric event? Studies performed on different model organisms suggest that distinct symmetric-breaking mechanisms may occur during their early development. In vertebrates, regulation of LR asymmetry downstream of symmetry-breaking seems to be conserved between different taxa and many reports show that it is established through the Nodal signalling molecule. Nodal starts being expressed symmetrically and then becomes asymmetrically expressed on the left side of lateral plate mesoderm at the early somite stage in chordates. However this is not true for Echinodermata, Nodal is always expressed asymmetrically and is found only on the right side. In the protostome models C. elegans and D. melanogaster Nodal has not been found, and hence it was thought that probably it evolved within the early deuterostome lineage. However, recently an orthologue of Nodal was found in snails (Mollusca) and it was shown that it also plays a role in left-right asymmetry, demonstrating it is of much earlier evolutionary origin. Pitx is a mediator of Nodal and it is involved in many processes related with the asymmetric growth. FoxH1 is a transcription factor that despite not being a canonical member of Nodal signalling pathway has been shown to modulate Nodal expression in vertebrates. The main goal of my project is to characterise FoxH1, Nodal and Pitx expression pattern across three different animals, Patella, Amphioxus and Lamprey during early embryo development and address if FoxH1 plays a role on Nodal signalling in protostomes.
A assimetria esquerda-direita (ED) é uma característica que se mantém conservada e bem patenteada em animais do grupo dos Bilateria. Esta consiste na morfogénese e posicionamento diferencial de órgãos internos ao longo do eixo ED. Por exemplo, por norma em humanos esta padronização assimétrica manifesta-se pela presença do coração e do estômago do lado esquerdo e o fígado do lado direito. Trata-se de um traço que é estabelecido numa fase muito precoce do desenvolvimento embrionário e que envolve inúmeros mecanismos moleculares altamente regulados. Tendo em consideração que inicialmente todos os organismos são bilaterais e morfologicamente simétricos, impõe-se uma questão essencial: como é que a simetria é quebrada internamente e qual o primeiro evento assimétrico a ter lugar? Estudos realizados em diferentes modelos animais sugerem mecanismos de quebra de simetria distintos, sendo actualmente considerados três modelos. Estudos em embriões de ratinho sugerem que um fluxo assimétrico provocado pela rotação de cílios no nodo leva a uma expressão diferencial de genes em torno do organizador ED, o que se manifesta mais tardiamente em assimétricas morfológicas – modelo ciliar. Dentro deste modelo podem ser ainda distinguidas duas sub-teorias, uma defendendo que a motilidade ciliar é responsável pelo transporte unilateral dos morfogénios para o lado esquerdo e outra defendendo que a existência de dois tipos de cílios são responsáveis não só pela geração do fluxo de morfogénios, cílios móteis, como também pela percepção destes, cílios sensitivos. No entanto, outros estudos realizados em embrião de galinha reportam que a existência de junções gap na linha primitiva está envolvida em eventos assimétricos ainda antes da formação do nodo – modelo citoplasmático. Este modelo baseia-se na complexidade e na dinâmica do citoesqueleto para explicar a quebra da simetria e muitas experiências confirmam que este possui uma quiralidade inerente, por exemplo, durante as primeiras clivagens de embriões de rã, já é notória uma distribuição diferencial de canais de potássio e de bombas de protões, herdadas maternalmente, que contribuem para uma distribuição de iões assimétrica que juntamente com as junções gap culmina na disposição diferencial de morfogénios. Estes primeiros resultados a suportar ambas as teorias pareciam indicar que provavelmente o modelo ciliar estava restrito aos mamíferos, no entanto foi igualmente descoberta a acção de cílios na quebra de simetria em zebrafish. Um terceiro modelo – separação diferencial de cromatídeos – propõe ainda que eventos moleculares mais recentes dos citados acima poderão estar envolvidos na origem da simetria. Esse modelo consiste na segregação diferencial de cromatídeos aquando a primeira divisão logo após a fertilização, contudo poucos estudos foram feitos nesta vertente, sendo que a maioria foram feitos em levedura e caracóis pelo que é muito difícil extrapolar para outros animais de organização mais complexa. Independentemente do primeiro evento a despoletar a assimetria ED, é igualmente importante saber como esta é estabelecida e mantida ao longo do desenvolvimento. Inúmeros genes foram assim descritos, sendo o Nodal um dos mais bem estudados, bem como os seus genes alvo, Pitx e FoxH1. Em vertebrados, a assimetria é assegurada pela via e sinalização Nodal, uma proteína secretada encarregue de transferir sinais do nó para a mesoderme da placa lateral. O Nodal é uma proteína pertencente à família dos TGF-β, Transforming Growth Factor – beta, tendo também um papel importante em processos de diferenciação celular, formação da endoderme e mesoderme e estabelecimento da linha primitiva em ratinho, peixe-zebra e rã durante o desenvolvimento. A via de sinalização Nodal actua através da ligação deste a receptores transmembranares serina/treonina cinase tipo II que, quando fosforilados, activam os receptores do tipo I. Quando fosforilados, estes receptores fosforilam proteínas Smad2 que vão interagir com Smad4, formando um complexo que funciona como um factor de transcrição que ao entrar no núcleo da célula, activa determinados genes que incluem o Pitx e o próprio Nodal. Em animais cordados, o Nodal começa por ser expresso simetricamente e posteriormente, numa fase mais avançada do desenvolvimento (somitogénese), torna-se assimétrico, encontrando-se presente somente do lado esquerdo. Isto não se verifica no entanto para o táxon dos equinodermes, cuja expressão do Nodal começa por ser desde cedo assimétrica e presente unicamente do lado direito. Em modelos clássicos de protostómios, tais como C. elegans ou D. melanogaster, o Nodal nunca foi encontrado levando à especulação geral de que provavelmente este tinha surgido unicamente na linha dos deuterostómios. Contudo, foi publicado um artigo recentemente que dita a existência de um órtologo do Nodal em caracóis (moluscos) e que por sua vez também se encontra associado ao estabelecimento da assimetria ED. Esta descoberta representa a formulação de uma nova hipótese, a de que estes mecanismos estão mais conservados do que se pensava inicialmente. Uma peça importante no complexo de regulação via Smads é o FoxH1. Este factor de transcrição pertence à vasta família dos genes Fox, genes que contêm um domínio forkhead. Este encontra-se altamente conservado e espalhado ao longo dos cordados e embora não seja um membro canónico da via de sinalização Nodal, tem sido descrito como um modulador da expressão do Nodal. Estudos realizados em ratinho mostram que as expressões do Nodal e do FoxH1 se sobrepõem. Em embriões cujo FoxH1 estava mutado havia claros sinais de uma incorrecta padronização antero-posterior. Ainda em ratinho, foi demonstrado o importante papel do FoxH1 durante o desenvolvimento embrionário na formação de estruturas cruciais como o nó, a notocorda e a mesoderme lateral que se tornam essenciais na futura formação e posicionamento de órgãos. Este factor de transcrição aparece como um transdutor da sinalização Nodal necessário para o estabelecimento da assimetria ED, embora o Nodal possa actuar dependente e independentemente deste factor de transcrição. O Pitx, gene alvo da sinalização Nodal, pode igualmente ser activado pelo FoxH1 e consequentemente regular outros factores ou outras vias envolvidas na manutenção da assimetria. A importância do FoxH1 na regulação da via de sinalização Nodal em vertebrados e a sua presença não só em deuterostómios mas também em protostómios, levanta a hipótese de que este gene está envolvido na mediação do Nodal e consequentemente no estabelecimento da assimetria de forma mais abrangente no grupo dos bilateria. Assim, este projecto foi desenhado com o propósito de averiguar o papel do FoxH1 na via de sinalização Nodal e na assimetria em protostómios e animais deuterostómicos que não pertencem ao grupo dos vertebrados e cujo gene não tenha sido devidamente descrito em termos de função. Numa primeira instância foram tidas em conta análises filogenéticas com o intuito de perceber melhor a relação evolutiva da família dos genes Fox e a possível origem do FoxH1 no grupo dos bilateria. Para estudos de expressão dos genes FoxH1, Nodal e Pitx, foram utilizadas quatro espécies, Patella vulgata, Branchiostoma floridae, Branchiostoma lanceolatum e Lampetra planeri, que por se encontrarem em posições de interesse na ‘árvore’ filogenética se tornam organismos chave para a compreensão da conservação de mecanismos a operar durante o desenvolvimento. Estes também foram sujeitos a comparação com modelos onde a expressão destes genes já está devidamente descrita. Estudos funcionais foram realizados para perceber se de facto o FoxH1 influenciava a expressão do Nodal e se sim de que forma. Estes foram feitos através da inibição do FoxH1 bem como do Nodal para perceber se o FoxH1 tinha um efeito regulador na via do Nodal ou se pelo contrário era afectado por este, ou mesmo pelo Pitx.
Descrição: Tese de mestrado. Biologia (Biologia Evolutiva e do Desenvolvimento). Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, 2013
URI: http://hdl.handle.net/10451/9884
Aparece nas colecções:FC - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulfc103162_tm_vania_fernandes.pdf1,59 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.